Discurso - Vereador Babá -

Texto do Discurso

O SR. BABÁ – Bem, primeiro, eu gostaria de parabenizar os estudantes do Pedro II, junto com os professores que estiveram na frente da Escola Militar para protestar contra a ida do Presidente Bolsonaro, que cortou R$19 milhões daquele colégio, como vem cortando das universidades.
Mas o meu assunto aqui, na verdade, diz respeito a uma declaração do companheiro Freixo nos jornais de ontem, que diz que busca PCdoB, PT e o PDT para disputar a Prefeitura do Rio. E essa situação, sem discussão nenhuma dentro do partido, é bom ressaltar isso. Freixo se acha proprietário do partido. Junto com uma maioria que acha que podem fazer tudo sem consultar ninguém.
Quero colocar essa situação, porque, nós – eu, Heloísa Helena, Luciana Genro e João Fontes –, repito aqui, fomos expulsos do PT, em 2003, por quê? Porque votamos contra a reforma da previdência de Lula. E também, Heloísa Helena, com nosso apoio, votou contra Sarney, indicado do Lula para a presidência do Senado, e de Henrique Meireles, que Lula foi buscar lá no BankBoston para dirigir o Banco Central por oito anos para aplicar toda a linha que os banqueiros adoraram. É essa situação.
E, nesse contexto, eu mudei para cá para o Rio de Janeiro e, junto com outros companheiros, como Heloísa Helena, Luciana Genro, João Fontes e companheiro Milton Temer aqui, nós saímos. Na verdade, no início de 2004, colhemos 500 mil assinaturas para fundar o PSOL. Enquanto os companheiros vieram em 2005 – e foram muito bem-vindos, companheiro Chico Alencar, Ivan Valente. Porque, na verdade, foi em 2005 que estourou o escândalo do mensalão do PT, um aprendizado do mensalão do PSDB de Minas Gerais.
Essa situação é importante ressaltar porque nós não aceitamos aliança com PT e com PCdoB e com o próprio PDT – nós respeitamos a atuação do Vereador Fernando William, como respeitamos a atuação aqui do Vereador Reimont, mas o problema é muito maior que isso. Nós não podemos esquecer que o companheiro Vladimir Palmeira foi eleito pela convenção do partido aqui no Rio de Janeiro para ser o candidato a governador e veio o Lula e, diretamente junto com Zé Dirceu, acabaram com a decisão e impuseram a dobradinha Garotinho e Benedita. Essa é a realidade. E que depois, a Benedita chegou a assumir, mas como vice ela pegou uns cento e tantos cargos – é o que diz a imprensa, nunca desmentida.
Queremos colocar essa situação porque essas alianças que o PT fez nunca deram certo. Deu no resultado que nós estamos vivenciando aí, com o surgimento de Bolsonaros. Que aí envolve corrupção, alianças para poder, na verdade, tentar governar, como se pudesse governar aliado à burguesia. E, aí, o que fez Lula? Companheira Heloísa Helena foi candidata ao senado em Alagoas por duas vezes. E por duas vezes Lula desceu com todo o Programa de Aceleração do Crescimento, o famoso PAC, para poder eleger Collor de Melo e Renan Calheiros e outro senador cujo nome não me recordo agora, mas foram os três de Alagoas.
É essa a situação que coloca, na verdade, as alianças que foram feitas pelo PT – e não parou por aí, porque a aliança também veio com Romero Jucá, um corrupto que está sendo condenado!
E não podemos esquecer, aqui, na Cinelândia, na campanha da Dilma Rousseff, ao lado de Sérgio Cabral e Lula, fazendo verdadeiras declarações de amor a Sérgio Cabral, dizendo a ele que se pudesse, transferiria o título dele para o Rio de Janeiro, mas não podia porque o título era de São Paulo, porque tinha certeza de que Sergio Cabral iria cuidar bem dos nossos filhos. E está aí o resultado: 200 anos de cadeia, corrupção vergonhosa! Essa situação se repetiu lá, no Estado de onde sou originário, onde Lula se aliou a Jader Barbalho, se aliou a todos esses corruptos.
Queremos registrar, ainda, que essa situação não é anterior, ela acontece ainda hoje. Vejam bem, o Governador da Bahia, do PT, foi eleito, na verdade, com 75,50% dos votos. Aliado a quem? PT juntos com o PP – do Maluf –, o PDT, o PSD, o PSB, PCdoB, PR, PMB, PRB, PRP, PODE, AVANTE, PMN, PROS e PTC. E qual foi o resultado disso tudo? Na greve que teve agora, recente, dos docentes das universidades estaduais, o que fez Rui Costa? Decidiu cortar o salário dos professores universitários em greves que, segundo a sua assessoria de comunicação, os docentes da Uneb, da Uesc, da Uefs, da Uesb Estadual do Sudoeste estariam numa greve política. Velha desculpa, não é? Para quê? Para poder cortar salário dos professores em greve. Tudo o que nós sofremos anteriormente, como aqui no Rio de Janeiro também, que Cabral ameaçou.
Queremos colocar essa situação, senhores, porque não para por aí essa situação do PT. O Governador Wellington Dias, que foi reeleito agora, é o Coordenador dos Governadores do Nordeste, qual a posição dele enquanto nós estamos aí, lutando para derrotar a reforma da Previdência? O que faz Wellington Dias, que é favorável a reforma da Previdência. Vai fazer reunião com Bolsonaro junto com esse Witzel, não é? É o que ataca os trabalhadores lá de cima, inclusive, uma tenda da Igreja Evangélica mandando bala. E ele, logo depois, vai para um hotel com diária de R$ 1.600,00, junto com a família. E tem a cara de pau de dizer que foi o hotel que bancou aquelas diárias dele lá, vergonhosamente! E foi com esse senhor e com João Doria que Wellington Dias se reuniu para tentar se ajoelhar perante Bolsonaro para dizer que é favorável a reforma da Previdência.
E é com esses que companheiro Marcelo Freixo quer se unir? Nós somos contra! Somos radicalmente contra! Porque não podemos aceitar essas alianças que, na verdade, não fazem parte do contexto do nosso partido. Nós sofremos muito para construir o PSOL! Nós fomos expulsos do PT para construir o PSOL, um partido que, no máximo, pode ter aliança com o PSTU e PCB. Porque o restante, está tudo aí, não é? Não podemos nos esquecer! E finalizo aqui para dizer: quem votou o impeachment da Dilma? A base dela! Os mesmos parlamentares que estavam seis meses antes na base do Governo da Dilma, foram eles os que votaram o impeachment.
E essa situação, nós queremos trazer aqui, finalizando, que não podemos aceitar aliança com partido que é favorável a reforma da Previdência. Nós marcamos greve geral para o dia 14 de junho. Agora, dia 15, luta dos professores, como preparação para a greve geral, para barrar a reforma da Previdência do Bolsonaro e do Paulo Guedes.
E essa situação é vergonhosa, porque está bloqueado do Lula, R$ 1,8 milhão de um fundo de previdência pessoal dele, que é fundo de capitalização, mais R$ 9 milhões de fundo de capitalização que ele investiu. De onde veio esse dinheiro? Das empreiteiras! Essa situação é vergonhosa. O “Lulinha paz e amor”, na verdade, está pagando um preço, porque ele se uniu a essa burguesia corrupta. E o PT paga o preço disso tudo, e nós não queremos que o nosso PSOL se una a esses partidos.
E é por isso que eu estou vindo aqui à Tribuna. Já que Marcelo Freixo não discute no partido, toma suas decisões, eu decidi subir a esta Tribuna, como fundador do PSOL, para repudiar o posicionamento de Marcelo Freixo e dizer a ele: nós somos contra essas alianças que vocês estão querendo empurrar o nosso partido, que foi fundado por força da repressão do Lula, quando nos expulsou do PT junto com o Zé Dirceu, porque votamos contra a reforma da Previdência, porque Heloísa não aceitou votar no corrupto Sarney para a Presidência do Senado e nem em Henrique Meirelles, que passou oito anos no Governo Lula a bem fazer a política dos banqueiros – que eles adoraram. E o Paulo Guedes está aí, que faz parte dessa política.
Portanto, somos contra! E iremos nos posicionar permanentemente contra essa política a que Marcelo Freixo quer levar o nosso partido.
Muito obrigado.