Discurso - Vereador Babá -

Texto do Discurso

O SR. BABÁ – Companheiros e companheiras que estão nos vendo aqui pela Rio TV Câmara. Seguindo a rota desastrada do Governo Bolsonaro, o que está acontecendo agora? No caminho de tentar privatizar a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos, uma empresa historicamente tão importante para o nosso país, o que estão fazendo agora eu faço questão de ler.
O sindicato aqui do Rio de Janeiro convoca os atendentes das agências, porque o que acontece é que, sem aviso nenhum, a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos, só aqui no Rio de Janeiro, fecha 29 agências,
sem discussão nenhuma, e assedia os trabalhadores que estavam alocados nessas agências. Portanto, o sindicato está chamando uma reunião para amanhã, às 18 horas, na sede do SINTECT do Rio de Janeiro, com a diretoria e o setor jurídico, para debater essa questão.
Eles estão fechando agências no Brasil inteiro. Fecham em Alagoas, no Espírito Santo... O certo é que eles estão atingindo para quê? Para abrir espaço para as empresas privadas que trabalham com entrega, não apenas de cartas, mas de encomendas, um grande trabalho que a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) sempre fez. Sem qualquer discussão prévia com os trabalhadores, com o sindicato, e a direção da ECT comunica o fechamento de agências e, na prática, obriga atendentes a migrarem de cargo.
A desculpa da direção da ECT já é conhecida. Ela diz que está modernizando a empresa para torná-la sustentável e que o fechamento de agências próximas uma das outras faz parte do processo, o que é uma grande mentira. Mas ela cai em contradição quando fecha agências rentáveis e diz que vai migrar as atividades para outras próximas, sem explicar como o pessoal delas dará conta do serviço extra. O mais grave, e muito grave ainda, é praticamente obrigar os atendentes e as atendentes a migrar de cargo para carteiro ou carteira. É chantagem, e até imposição, dizer que quem não migrar pode ser transferido para qualquer agência do Brasil. Olha a ameaça. Ninguém pode ficar com um futuro preso a uma incerteza tão grande.
Aliás, tudo nessa história é imposição. A direção da empresa diz que tem estudos, mas não mostra os estudos. É igual ao Bolsonaro, que não mostra os cálculos que diz ter da reforma da previdência. E não discute nem negocia com sindicatos dos trabalhadores. Escolhe as agências e anuncia o fechamento, sem nenhum debate com o pessoal envolvido e seus representantes sindicais, e acha que todos têm que aceitar, de boca fechada, o que não dá para aceitar evidentemente. Não é assim que se trata. Isso não tem um centavo de democracia.
Essa ação impositiva indica que a ECT está sucateando a rede de atendimento. Ela deixa claro que não quer mais atendentes comerciais em seus quadros, ao impor a migração de cargo. E está diminuindo o alcance dos Correios ao falar em mantê-lo presente em 5.500 municípios, 70 a menos do que há hoje no país. Quantos mais ficarão sem atendimento na próxima onda de fechamento dessas unidades? Não dá para engolir essas ações dessa forma, sem explicações claras e respostas consistentes, com contradições evidentes entre o que se fala e os resultados que se fazem sem consideração, nenhuma discussão ou negociação com os trabalhadores.
Por isso, o sindicato convoca os companheiros e companheiras envolvidos para debaterem, na sede do sindicato, e impedir que essa situação aconteça.
Queria colocar aqui ao Vereador que me pediu tempo: tenho 20 minutos a falar e posso até deixar o senhor começar para depois eu ter o direito de falar, mas quero colocar aqui que está em cima do tempo.
Mas é um absurdo o que vem sendo feito com o Governo Bolsonaro e com a direção da Empresa de Correios, atingindo fortemente trabalhadores e trabalhadoras que estão aí vendo suas agências fechadas.
É isso aí, Senhora Presidente. Muito obrigado.