ORDEM DO DIA
Pela Ordem



Texto da Ordem do Dia

O SR. MAJOR ELITUSALEM – Senhora Presidente, primeiramente, em resposta ao Vereador Tarcísio Motta, na última sessão, em que nós pedimos pela ordem, Vereador, eu estive aqui na Casa, não pude vir no horário de debate, sabe por que, Vereador? Porque eu estava me defendendo como militar que ainda sou, de uma acusação de crítica indevida ao ex-comandante-geral. Fiz uma crítica, houve um edital que prejudicou milhares de policiais, foi feita a crítica a ele e eu tive que me defender.
Vereador, eu venho com a primeira reflexão. Vocês reclamaram que nós derrubamos a sessão e vocês não tiveram o direito de fala. Eu pergunto: quantas de pessoas hoje não têm direito de fala contra o governo venezuelano? Mas o seu partido, o Partido dos Trabalhadores também, o PSOL e o PT apoiam essa narcoditadura. Então, é ruim ficar sem voz. É ruim não ter direito à democracia. Mas vocês apoiam isso, essa ditadura fora do Brasil. Então, é bom que vocês aprendam o que é ficar sem fala, porque vocês apoiam isso lá fora. Essa a moral seletiva do PSOL. Esse duplo padrão moral. O que vale para o outro não vale para mim.
Eu vejo o vereador falando sobre inteligência policial. Passei 19 anos na polícia, Vereador, e não confunda inteligência policial com o mundo fantástico que o seu partido vive, que acha que vai desarmar 300 traficantes de fuzil com o poder da mente ou com uso de super-heróis. Não existe o Magneto. Não dá para retirar um fuzil da mão de um marginal se não for confrontando ele, Vereador.
É por isso que ninguém numa majoritária leva o seu partido a sério. Porque o Freixo, na campanha, falou que ia combater a violência com poste, com lanterna. Por isso ninguém leva vocês a sério, Vereador. Vocês não focam no discurso trabalhista. Vocês entram na seara que não conhecem. Uma seara que vocês ignoram. Mas ao mesmo tempo, Senhora Presidente, o líder supremo do PSOL, o imperador Freixo, estava tomando cafezinho numa padaria com três seguranças do lado de fora. Mas ele é contra as armas. Ele é contra as armas na mão do cidadão. Na mão do segurança dele pode.
A Talíria Perone também já anunciou: “Estou andando com segurança.” Petrone, Perone, não faz a menor diferença, ela não sabe nem falar. Ela simplesmente defende o desarmamento, mas anda de blindado. É o que ela estava anunciando. O vereador vem criticar o decreto que dá acesso a armas de qualidade. É disso que esse decreto trata, Vereador. O Brasil, hoje, o cidadão de bem, o policial tem o pior armamento do mundo. É o monopólio de duas empresas. O que o presidente assinou, Vereador, o senhor, talvez, não tenha visto o decreto, é a quebra desse monopólio. O tráfico de arma e droga continua pela fronteira. Porque a arma é fabricada legalmente.

A SRA. PRESIDENTE (TÂNIA BASTOS) – Para concluir, Vereador.

O SR. MAJOR ELITUSALEM – Ela é fabricada legalmente e exportada ilegalmente. É isso que tem que ser combatido em nível federal, Senhora Presidente. Agora, o desafio que eu te faço são dois, Vereador: Primeiro, mostre-me um país que legalizou as drogas e deu certo que nem nos estados americanos que legalizaram não deu certo. Eles estão fabricando maconha em laboratório e os cartéis mexicanos estão comprando essa maconha, de tanta qualidade a que ela chegou. Não adianta legalizar. Não deu certo em lugar nenhum.
Por fim, Vereador, o senhor diz que operar de helicóptero é ruim, que não pode ser usado como plataforma de tiro. O senhor fala como se fosse conhecedor. Eu o convido. Aprovei uma comissão especial e estou indo nas Unidades de Polícia Pacificadora (UPP). Quinta-feira passada minha comitiva foi alvo de disparos. O senhor está convidado a ir comigo no complexo da Penha, ou do Alemão, para ver como um helicóptero faz a diferença. É melhor sair do ar-condicionado e parar de falar bobagem.
Obrigado, Presidente.

A SRA. PRESIDENTE (TÂNIA BASTOS) – Pela ordem, o nobre Vereador Rocal, que dispõe de três minutos.

O SR. ROCAL – Senhora Presidente, solicito a verificação de quórum.

A SRA. PRESIDENTE (TÂNIA BASTOS) – Solicitada verificação de quórum pelo Senhor Vereador Rocal.
Peço aos senhores vereadores que tomem assento em suas bancadas.

(Concluída a verificação de quórum, constata-se:
1ª Bancada – 8 (oito) senhores vereadores;
2ª Bancada – 2 (dois) senhores vereadores;
3ª Bancada – 1 (um) senhor vereador;
4ª Bancada – 2 (dois) senhores vereadores.
Mesa – 1 (uma) senhora vereadora;
Total – 14 (quatorze) senhores vereadores.)

A SRA. PRESIDENTE (TÂNIA BASTOS) – Presentes 14 (quatorze) senhores vereadores.
Não há quórum para deliberar, tampouco para dar prosseguimento aos trabalhos.
Antes de encerrar, a Presidência convoca Sessão Ordinária para amanhã, quinta-feira, dia 9 de maio, às 14 horas. A Ordem do Dia é a mesma designada anteriormente, acrescida, na forma regimental, de Ordem do Dia Adicional.
Está encerrada a Sessão.

(Encerra-se a Sessão às 16h07)