Discurso - Vereador Val Ceasa -

Texto do Discurso

O SR. VAL CEASA – Boa tarde, Senhor Presidente, senhores vereadores.
Presidente, o senhor é mais que sabedor: quando eu assumi a Superintendência Administrativa de Irajá, existiam muitas coisas ali de benfeitoria, muito trabalho sério, mas existiam também coisas que não são de acordo com a Lei Orgânica do Município (LOM). Uma delas era a cobrança no setor público.
Quero dizer para vocês que as crianças, os jovens, ao praticarem o futebol na área que é da Prefeitura, a área pública, era cobrada uma taxa, indevidamente. Os jovens de 15, 16, 17 anos, às vezes, têm R$ 20,00 no bolso. Ou ele faz um lanche ou ele faz aquela “interazinha” para pagar os campos de futebol.
O que estava acontecendo? Às 10 ou 11 horas de domingo, os campos estavam todos vazios, porque os jovens não tinham aquela quantia para pagar pelo campo.
Quando eu assumi aquela Superintendência Administrativa, eu comecei a colocar a proibição nos campos de futebol. Eu não aceito, na minha região, onde eu sou responsável, a cobrança indevida da lei.
Hoje, Senhor Presidente, eu fiquei surpreso, porque onde estava acontecendo a proibição, estava entrando um pessoal com requerimento de adoção de praça. O que está me acontecendo? A Diretora da Fundação Parques e Jardins, vou até dizer o nome dessa pessoa, Senhora Cristina Monteiro... A partir do momento em que foi proibida a cobrança de campo indevidamente, hoje o pessoal está entrando e pegando a praça de adoção.
Eu quero fazer aqui o registro e dizer para vocês que eu vou fazer um requerimento à Mesa Diretora para saber como foi e qual foi a atitude dessa diretora de ficar cedendo as praças para continuar a cobrança de campo. Então, estou fazendo aqui a representação, estou falando para vocês em Plenário, porque, na minha administração, eu não compactuo com cobranças em órgão público.
Acho que nós devemos olhar isso em todo o Rio de Janeiro, porque isso é uma coisa muito grave e estou fazendo aqui a minha notificação para o senhor.
Muito obrigado.