Discurso - Vereador Paulo Pinheiro -

Texto do Discurso

O SR. PAULO PINHEIRO – Veja, Senhor Presidente, eu falei a respeito da questão da propaganda, que eu não quero chamar de enganosa, porque eu não tenho esses dados todos. Vereadora, eu só usei aqui a palavra, vou falar uns dois minutos e já lhe vou ceder, porque ia cair a Sessão, e eu sei que a senhora estava querendo falar.
O Prefeito Marcelo Crivella tem nos "brindado" nos últimos dias com uma campanha publicitária que eu chamaria de pouco verídica, quando ele fala sobre a educação, sobre a saúde e sobre alguns outros pontos que na prática não correspondem que a realidade daqueles que vivem na Cidade do Rio de Janeiro. Pode ser que ele esteja falando de outra cidade do Rio de Janeiro que a gente não conheça.
São peças publicitárias veiculadas em horários nobres e caros da TV brasileira, como no intervalo do Fantástico, por exemplo, que nos remetem a uma "ilha da fantasia", um "oásis" de competência e eficiência, que nos faz acreditar sermos cidadãos de uma capital completamente desenvolvida e funcional, onde todos os serviços públicos são de primeiro mundo.
As pessoas que aparecem nos filmes ficam exultantes com as novas características da educação e da saúde que são oferecidas por este governo, nesta cidade.
Essa campanha publicitária nos fez representar, recentemente, um Requerimento de Informações à Prefeitura, para que nos envie os custos detalhados de cada peça publicitária e a forma de contratação da empresa responsável por tal campanha.
Mas uma propaganda em particular parece revelar a forma enviesada como Prefeito Marcelo Crivella procura comunicar suas realizações. Trata-se da propaganda que critica o investimento público no Carnaval carioca.
Ainda antes de termos as respostas do Requerimento de Informações anteriormente citado, uma análise através do Portal Rio Transparente, feita pelo jornalista Ruben Berta e publicada hoje, nos dá várias pistas do que vamos encontrar:
"Apesar de um ator afirmar, logo no início do vídeo, que: ‘o desfile das escolas de samba do Rio de Janeiro custa para a Prefeitura R$ 70 milhões’ – foi isso o que o Prefeito diz que gastou este ano. “O valor repassado para as agremiações do Grupo Especial foi de R$ 7 milhões. Já a Propeg recebeu, até este mês, R$ 3,6 milhões por essa publicidade veiculada. A outra agência de publicidade do Município, a Binder, já foi contemplada com R$ 6,8 milhões. Ou seja, somente nos cinco primeiros meses do ano, já foram gastos R$ 10,4 milhões com propaganda na gestão Crivella. Os dados do Rio Transparente mostram ainda que a rubrica ‘Projeto Carnaval’ recebeu este ano R$ 17 milhões, valor que inclui, além do repasse às escolas de samba, custos adicionais com marketing, serviços gráficos, conservação de vias urbanas, entre outros. No vídeo produzido pela Propeg, é destacado que os que lucrariam mais com o carnaval seriam a Liesa e a Rede Globo. Como contraponto, o ator destaca que ‘o município tem que arcar com 200 mil funcionários e aposentados, além de 650 mil crianças para serem atendidas nas escolas’”.
O Prefeito não fala a verdade ao dizer que o Carnaval dá prejuízo aos cofres públicos, como bem observa o jornalista na matéria citada: “A Prefeitura admite em seu próprio site que o Carnaval de 2019 injetou R$ 3,8 bilhões na economia da cidade com a chegada de R$ 1,6 milhão de turistas”. Ora, ainda que se considere que esse valor não reverta totalmente em tributos municipais, se apenas 2% desse valor forem apurados em ISS – o que não é absurdo supor –, já teríamos um retorno financeiro maior que o valor investido. Além disso, não há como negar o valor intrínseco, relativo à criação de milhares de postos de trabalho para cidadãos cariocas em função do Carnaval, o que por si só já justificaria o investimento de recursos públicos.
Como se vê, o Prefeito parece estar mais interessado em disseminar mentiras em suas campanhas publicitárias do que cuidar das pessoas, como prometeu em sua campanha eleitoral. Prova disso é que um processo licitatório que se arrastava desde o ano passado com questionamentos do Tribunal de Contas parece ter chegado ao fim agora. Nessa licitação, a Prefeitura prevê gastar R$ 56 milhões para propaganda neste ano. Por ironia, o argumento da Prefeitura para justificar gastos desse vulto com propaganda em um cenário de penúria de caixa, como é constantemente alardeado pelo Prefeito, é a necessidade de "reverter a imagem do Município, apresentando suas multipotencialidades em cultura, turismo e economia".
Pelo visto, o Prefeito Marcelo Crivella acredita que mais vale cuidar da imagem do que cuidar das pessoas. Corre o risco de descobrir que não há propaganda que consiga contrariar a realidade: sua incompetência total e absoluta em cuidar da cidade e dos cidadãos cariocas fica a cada dia mais provada, mesmo com toda essa propaganda, no mínimo, fantasiosa que é apresentada todos os dias no horário nobre. Muito obrigado.