ORDEM DO DIA
Pela Ordem



Texto da Ordem do Dia

O SR. JONES MOURA – Presidente, em dois minutos aqui eu quero colocar algo que está incomodando muito o nosso Plenário e vai incomodar demais o nosso trabalho aqui do dia a dia. O nobre Vereador Leonel Brizola, do PSOL, tentou aqui derrubar a Sessão, mas não conseguiu, ele sabe o que eu vou dizer aqui.
Presidente, nós temos aqui na Tribuna uma placa da Vereadora Marielle Franco. Essa placa que está aqui na Tribuna foi posicionada de uma maneira que qualquer vereador aqui, segundo o seu segmento ideológico, partidário, quando ele for se expressar na tribuna – e daqui a pouco eu vou subir também para discutir projetos –, o rosto de Marielle Franco vai aparecer ao lado desse vereador ou acima do vereador e, se não aparecer pela Rio TV Câmara, vai aparecer pela sua Assessoria de Comunicação, Presidente, que daqui muitas vezes filma ou fotografa e vai aparecer.
Nós aqui, Presidente, não estamos falando da pessoa Marielle Franco, ela teve nobres ações para a sociedade, parcelas da sociedade do Rio de Janeiro, mas nós estamos aqui falando também de um símbolo de um partido político e, quando falamos de um símbolo... Olha, eu quero até desafiar algum vereador do PSOL a pegar o microfone aqui e dizer assim: “Não, Marielle Franco não é símbolo do PSOL não”. Fala isso aqui ao microfone.
Então, se ela também é símbolo do PSOL, por que quando eu subir à Tribuna tem que aparecer um símbolo do PSOL ao meu lado? Além do mais, nada do PSOL eu quero que apareça ao meu lado e está aqui.
Por isso, Presidente, nós já estamos articulando um movimento, acho que isso é desnecessário, mas é um movimento forte da maioria, para que se retire imediatamente essa placa aqui do nosso lado. Ela precisa estar vinculada à Tribuna, mas não precisa ser visível e os políticos do PSOL, escrevam o que eu estou falando aqui, ainda vão usar essa placa para propaganda político-partidária.
Em cima de mim aqui não vai ser e por isso esse movimento vai estar forte, nós vamos aqui representar esta Câmara, mas tenho certeza de que, dentro do bom senso e coerência, Presidente, eu até faço a sugestão... Olha, quer ver uma coisa, o nome do Plenário, que é Teotônio Villela, tem uma placa, mas não está aí a seu lado, Presidente, para quando as câmeras, a imprensa que fica ali, te filmar, o ex-Senador Teotônio não apareça a seu lado, está lá naquele cantinho. Por que a placa de Marielle, que também é símbolo do PSOL, vai aparecer aqui ao meu lado? Eu sugiro colocar aqui, já estou fazendo a sugestão, para todos aqueles nas audiências públicas, debates públicos, Plenário, ao passarem pela tribuna vejam aqui Marielle Franco. Mas não precisa aparecer para toda a imprensa, quando nós apresentarmos e discutirmos os nossos projetos aqui, Presidente.
Por isso, entrego aqui meus protestos em nome de todos aqueles que, de alguma maneira, porque o nosso país é democrático, não concordarem de certa forma com algumas correntes ideológicas de Marielle Franco e nós aqui temos que ter também essa democracia na Tribuna. Nós pedimos, Presidente, que haja um movimento rápido da Câmara e da Mesa Diretora para retirar a posição da placa de Marielle Franco, com seu rosto aqui onde nós também aparecemos. Obrigado, Presidente.

O SR. DR. JOÃO RICARDO – Pela ordem, Senhor Presidente.

O SR. PRESIDENTE (JORGE FELIPPE) – Pela ordem, o nobre Vereador Dr. João Ricardo, que dispõe de três minutos.

O SR. DR. JOÃO RICARDO – Eu queria voltar a esse nosso projeto que foi votado agora e dizer que eu acompanhei realmente a maioria dos meus colegas aqui, pela desconstrução daquele acordo que foi feito já na legislatura anterior. Entretanto, eu vejo com muita cautela e com muita preocupação, Presidente, porque na realidade o que temos que ver, e é a maneira como vejo, a concessão pública de transporte como uma relação empresarial. Não é uma relação do capital contra o proletariado pobre, negro ou favelado, não é. No meu entendimento é, sim, uma relação empresarial e, e dessa maneira tem que ser tratado. Então, hoje o PSOL aparece como o grande defensor da ética, da moral e dos usuários sofredores do ônibus. O que irá acontecer, no meu entendimento, é, sem dúvida alguma, uma retaliação das empresas, que irá alcançar os trabalhadores que estão tentando pegar o ônibus em Santa Cruz. Eu não tenho dúvida disso, porque a relação empresarial será mantida.
Quero avisar aos nobres colegas que o PSOL irá, mais uma vez, aparecer como o grande salvador da pátria, porque uma vez instalado o caos, a culpa é da Prefeitura, a culpa é do Crivella, a culpa é desta Casa. Dessa maneira, gostaria que nós pensássemos em um possível plano B em um futuro bastante próximo.

O SR. DAVID MIRANDA – Pela ordem, Senhor Presidente.

O SR. PRESIDENTE (JORGE FELIPPE) – Pela ordem, o Vereador David Miranda, que dispõe de três minutos.

O SR. DAVID MIRANDA – Hoje, era um dia que eu estava evitando falar. Eu evitei falar quando a placa foi colocada pela homenagem que é mínima, perante a grande perda que nós, amigos e companheiros da Marielle, tivemos. Além de ser um dia difícil para todos nós que temos que lembrar que ela foi assassinada – e hoje faz 266 dias sem resposta –, nós ainda temos que conviver com figuras que vêm aqui para se promover. Existem ferramentas dentro desta Casa. Existe uma mesa, ali, onde eles podem chegar e fazer pedidos. Existe a bancada do PSOL, para quem vocês poderiam pedir a remoção e a fixação da placa em outro lugar.
Vocês falam que nós queremos nos promover com a morte da nossa companheira, enquanto nós ainda continuamos sofrendo, tremendo, chorando todo dia 14 – e isso acontece porque fazemos parte de um partido que escuta isso todo dia. Porque todos os dias um montão de gente está sendo morta. Nós, que defendemos direitos humanos, é que estamos na linha de frente, sempre gritando, e ela era esse símbolo. Então, toda vez que corre sangue preto nas favelas, nós nos lembramos do sangue dela, que correu também.
Esses palhaços se utilizam deste momento de homenagem, que tinha que ser uma homenagem para ela. Nem isso esses caras conseguem respeitar, um momento que tinha que ser de respeito. Esta tribuna agora se chama Marielle Franco, sim. Ela não será calada por vocês nem por ninguém. Ela irá continuar com aquela placa ali. Se a placa descer, se movimentar, vocês subirão ali e falarão ao lado do nome de Marielle Franco, sim.