ORDEM DO DIA
Pela Ordem



Texto da Ordem do Dia

A SRA. TERESA BERGHER – Senhor Presidente, senhores vereadores e vereadoras, demais funcionários da Casa.
Venho me associar às palavras do Vereador Tarcísio Motta em relação a essa questão da CPI. Também faço um apelo aos senhores vereadores que assinem a nossa proposta de CPI, de todos, de um grupo de vereadores, porque considero da maior importância. É uma denúncia gravíssima, e os fatos têm que ser apurados.
Eu acho que ninguém está condenando o Prefeito Marcelo Crivella. Nós todos sabemos que a questão corre em sigilo de justiça; mas precisamos investigar e apurar os fatos, até para comprovar que o prefeito não tem absolutamente nenhuma responsabilidade nessa denúncia. Sabemos que denúncias de delatores têm que ser questionadas sempre, mas é gravíssima essa denúncia. E num momento, como já foi colocado antes, em que a Prefeitura passa por uma crise série, quando nós deixamos até de ter sessão nesta Casa para discutir uma doação à Prefeitura de R$ 40 milhões, para que os funcionários da Prefeitura não fiquem sem 13º, ouvir que há irregularidades, que estão sendo feito pagamentos sei lá pra quê!
Então, acho que a nossa obrigação é, sim, assinar a proposta dessa CPI e investigar os fatos. Eu volto a perguntar, aliás, eu sempre digo o seguinte: por que os nossos gestores, nossos governantes, têm tanto medo de CPI? Quem não deve não teme. É um absurdo total esta coisa de sempre querer fugir, de ter medo de CPI.
Então, colegas vereadores, o meu apelo é: assinem! Nós precisamos de 17 assinaturas, não sei exatamente se temos 13 ou 14, mas vamos chegar em 17, porque acredito no bom senso, na responsabilidade dos senhores vereadores, até mesmo do Líder do Governo. Eu acho que a obrigação dele é exatamente essa: conversar com seus liderados, com esta Casa, e propor que assinem, sim, não vejo absolutamente nenhum problema. Quem não deve não teme. Por que este medo de CPI?

O SR. REIMONT – Questão de ordem, Senhor Presidente.

O SR. PRESIDENTE (ROCAL) – Pela ordem, o nobre Vereador Reimont, que dispõe de três minutos.

O SR. REIMONT – Eu venho aqui na mesma toada. Tem uma coisa muito interessante. Eu sempre aprendi – sei que tenho muita coisa a aprender ainda – que um dos papéis fundamentais do Parlamento é votar o orçamento e fiscalizar o Poder Executivo. A legislação que fazemos para a cidade está ancorada na questão orçamentária e, portanto, nas discussões de probidade administrativa.
Acho que os vereadores que compreendem isso, na minha leitura, deveriam assinar o pedido de CPI, porque é simples: a única que se quer fazer é investigar. Então, o povo da Cidade do Rio de Janeiro, os eleitores do Rio de Janeiro... não sou eu aqui que vou declinar. Aliás, nem sei quem assinou e quem deixou de assinar, não é essa a questão. Por isso falo com tranquilidade. Sei de mim, que assinei o pedido de CPI.
É preciso que a Cidade do Rio de Janeiro saiba que, dentre 51 vereadores, apenas 14 vereadores toparam assinar um pedido de CPI pra fazer o processo investigativo. E também na minha leitura, posso estar equivocado, daquilo que aprendi das funções do Parlamento, dos 51 vereadores, 37 vereadores se abstêm, nesse momento, de investigar uma denúncia que é pública!
Portanto, esse é um passivo ou um ativo que alguns vereadores carregam como passivo ou como ativo. No meu entendimento, o que precisa ficar claro para a sociedade carioca que, de 51 vereadores, apenas 14 vereadores não estão abrindo mão da sua obrigação de fazer o processo investigativo e, portanto, de fazer assinar o pedido de CPI.