SESSÃO - EXTRAORDINÁRIA
Pela Ordem




Texto

O SR. BABÁ – Senhor Presidente, eu queria abordar um tema, que é assunto nacional. Trata-se, justamente, do pronunciamento de Paulo Guedes, além de todas as baixarias que ele falou, que não vale a pena citar aqui, como outros ministros, naquela reunião terrível.
Ele diz que nós vamos dar um abraço e, nesse abraço, colocamos granada no bolso dos inimigos. Quem é inimigo? Servidores públicos. E até em um momento em que, nessa situação aí do coronavírus, algo que não se pode fazer é abraçar as pessoas para não transmitir essa doença. Correto? Aliás, o Paulo Guedes, um banqueiro, traz em si a defesa. Quem são os inimigos? Servidores públicos. Por isso, colocaram, ele e o Bolsonaro, ao fazerem, na verdade, a contribuição, a ajuda aos estados e município, a exigência de suspensão por dois anos do aumento dos servidores públicos municipais e estaduais, como conseguiram fazer com os servidores federais. E tem servidores que estão há anos sem aumento salarial, como é o caso dos professores.
Mas esse é o Senhor Paulo Guedes, banqueiro, e o que ele diz, na verdade, é atacar os servidores públicos, para poder ter dinheiro para bancar os seus amigos banqueiros e grandes empresários. Então, essa situação mostra claramente a face desse Governo, mas isso vai além.
Quando veio a Polícia Federal para fazer a ação sobre o Governador Witzel, que coloca a polícia para matar jovens nas favelas, aí houve todo um aplauso dessa ala bolsonarista à ação da Polícia Federal, entrando inclusive no palácio do Governo e de lá retirando, inclusive, o computador, celular do Governador para levar.
Quando o Supremo Tribunal Federal (STF) aventa a possibilidade de que o Presidente... Na verdade, o celular dele seja retomado, aí, vai toda... O General Heleno – não é, não? Está certo? – ameaçando praticamente de golpe a nação. Aí, eles ficaram caladinhos com o seu amigo Witzel, porque o Witzel é grande amigo. Romperam agora, mas foram eleitos juntos.
Não podemos esquecer que o Witzel foi o que subiu junto com aqueles dois deputados ultrarreacionários para quebrar a faixa de Marielle Franco. Portanto, tanto Bolsonaro como Witzel, como Crivella – como diz o velho ditado –, são farinha do mesmo saco, para atacar os trabalhadores.
Quero colocar mais: o Ministro Abraham Weintraub, que ameaçou, na verdade, os ministros do STF, chamando de bandidos... Agora, vem o Governo, por meio do Ministro da Justiça, entrar com um habeas corpus, pedindo que não seja investigado no STF esse senhor, mostrando claramente qual a posição colocada. O Procurador Augusto Aras pediu, na verdade, agora, a suspensão da investigação sobre os investigados das fake news, os proprietários de empresas, como o velhinho da Havan – está certo? –, que tem, na verdade, dívidas com o Governo, ou outros empresários que financiavam essa situação vergonhosa das fake news.
Isso claramente... Aí, eles ficaram... O Procurador-Geral Aras pediu agora a suspensão da investigação das fake news, contraditando, inclusive, a sua posição de outubro de 2019, quando ele achou normal a investigação, que já era normal, contra as fake news com ataque aos ministros do STF, que envolve, inclusive, o Vereador Carlos Bolsonaro com gente que é do gabinete do ódio, está certo? Até o nome mostra claramente qual é a cara desses senhores. Isso é lamentável. É por isso que, ontem, os servidores públicos fizeram um ato na Cinelândia e no Brasil inteiro para exigir, na verdade, reposições salariais.
Encerro aqui para dizer que esse Governo é vergonhoso. É com essa situação que queremos concluir a nossa fala aqui.
Muito obrigado.