ORDEM DO DIA
Pela Ordem



Texto da Ordem do Dia

SR. LEONEL BRIZOLA – Obrigado, Senhora Presidenta.
Bom, é só para a gente tentar elucidar aqui. Eu queria conversar com os trabalhadores e trabalhadoras da Guarda. E até direcionado ao Jones Moura, lamento, Jones Moura que o seu partido tenha lhe deixado na mão. O PSD lhe deixou sozinho. Isso é uma coisa chata. E o seu companheiro nem veio hoje. O Messina, eu não o vi aqui. Se hoje os trabalhadores da Guarda gozam do privilégio de serem servidores e terem estabilidade, não foi a direita que trabalhou por vocês aqui atrás. Vamos relembrar a história.
Pedro Porfírio, do PDT, foi o primeiro grande Vereador, já falecido – minha homenagem a ele aqui –, que fez essa luta lá atrás, meu irmão aqui também era Vereador, Brizola Neto. E até então, não conseguiu fazer a transformação, mas ficou na pauta, e o Eduardo Paes conseguiu fazer. Mas foi justamente por meio de uma grande discussão de criar estabilidade, porque vocês eram funcionários de uma empresa de segurança privada, sem direito de estabilidade alguma.
Pelo que eu mais queria vir aqui, como trabalhista que sou, e com muito orgulho do PSOL, era que a gente pudesse votar garantias de trabalho para Guarda Municipal. Eu queria votar aqui, como o Vereador Babá falou, um plano de carreiras e salários, que pudesse votar uma garantia de assistência dentária e saúde aos seus familiares, fazer que nem o meu avô Leonel Brizola, que deu ao policial militar, quando se aposentasse, uma moradia. Isso a gente pode fazer aqui, sem ter que brigar com a Constituição, porque a Constituição é clara.
Vocês têm uma das mais nobres profissões, que é zelar pelo patrimônio público. É uma das maiores nobrezas, é zelar pelo patrimônio público, sabe? E aí, quando a gente vota uma loucura dessa, eu te digo o porquê. Porque sequer discutiram. Como vai ficar a aposentadoria de vocês e daqueles que portam arma? Cadê o adicional de 30%? E uma aposentadoria adequada, caso algum de vocês venham a ficar inválidos, ficar numa cadeira de roda, por um projeto de arma de fogo, que é o que mais acontece com a Polícia Militar.
Imagina o companheiro de vocês numa cadeira de roda ganhando R$ 1.500, R$ 2.000, invalidado. E a gente não criou nada para isso, a gente não criou prerrogativa nenhuma pra isso.
E daí, eu queria um outro diálogo aqui com vocês, que vocês estão sendo enganados. Vocês estão sendo enganados pela Prefeitura, que não quer armar vocês, porque a conta é simples, a conta é política e o ano eleitoral é ano que vem. É só fazer a conta.

A SRA. PRESIDENTE (TÂNIA BASTOS) – Para concluir, Senhor Vereador.

O SR. LEONEL BRIZOLA – Concluindo, Senhora Presidente, em menos de um minuto.
São mais de 50 mil trabalhadores camelôs. E eu brigo muito com eles, porque defendo também. Não digo 100%, mas 90% gostam e votam no Crivella, porque o Crivella não perseguiu a categoria. O Crivella foi um dos primeiros prefeitos da Cidade do Rio de Janeiro que não perseguiu esses trabalhadores e deixou trabalhar;
E a Guarda Municipal? Eu tenho certeza que 20%, 30%, no máximo, votam no Crivella, porque está insatisfeito com as condições da precariedade do trabalho. E o que vai onerar os cofres públicos para o Crivella, que não tem dinheiro para pagar nem ar- condicionado na sala de aula, não tem dinheiro para pagar as empresas que prestam serviço de saúde, que está entrando em colapso. Você acha que vai ter dinheiro para colocar armamento? Garantia para vocês de vida? Garantia do ir e vir para sua casa? Você está armado! Garantia do paiol?
Desculpe, Senhora Presidente, encerro aqui.
Eu queria tentar contribuir, aqui o jogo é claro, nós queremos votar e ir para o voto. O verdadeiro trabalhista, socialista, vem aqui e discute a ideia e vai para o voto, não fica fazendo malabarismo, nem dizendo de maneira canalha, culpando o próximo do seu próprio erro, E, principalmente, da sua própria mediocridade.
Muito obrigado pela paciência, Senhora Presidente.

A SRA. PRESIDENTE (TÂNIA BASTOS) – Pela ordem, o nobre Vereador Átila A. Nunes, que dispõe de três minutos.
Não estando presente o Vereador Átila A. Nunes, pela ordem, o nobre Vereador Jones Moura, que dispõe de três minutos.

O SR. JONES MOURA – Obrigado, Presidente.
Eu estou aproveitando esses momentos que temos aqui, até para ocupar um pouco da oportunidade de pessoas que não querem o regimento, querem atrapalhar, querem trapacear. Eu não tenho problema para falar sobre isso com o pessoal do PT, não. Não sei por que o Fernando William buscou essa carapuça para colocar. Esquece isso, PT e PSOL.
Agora, reitero aqui aos demais vereadores desta Casa: vou pedir aos que estão na arquibancada, ao final de todo o processo, agora já não tem mais quórum para absolutamente nada, a sessão vai cair daqui a pouco, estou aqui apenas para seguir os regimentos. Quando a sessão cair, eu darei algumas entrevistas, me comprometi a dar essas entrevistas que a imprensa solicitou. Ao término das entrevistas, vou aqui para as escadarias da Cinelândia. É importante que vocês continuem acreditando que sim, o Legislativo está com vocês, eles não abandonaram vocês. Muito pelo contrário e nós vamos mostrar esses números.
Eu vou pedir, inclusive, a cada vereador que me permita dizer os nomes, porque se eles estão querendo votar, não há problema omitir. Por que isso? Então, estarei dando a lista de todos vereadores que estão votando sim. Inclusive, nós já chegamos a quase 38 votos favoráveis. Mas os nobres guardas municipais que estão aqui presentes conhecem os problemas que estamos passando com a Lei n°13.022, do cumprimento dos prefeitos e a insegurança jurídica, aquela questão da Feneme, vocês já sabem. Vocês conhecem os problemas que estamos passando com essas questões, principalmente da reforma da Previdência, o tanto que tivemos que lutar para acertar aquele quadrante.
Então, por isso, esse monte de emendas que vão entrar, que abracei com tanto carinho, mas que nos permitam fazer essa audiência pública, com o tema Discussão das emendas dos vereadores. Esse vai ser o tema. E aí vai ser uma audiência pública. Vamos tentar aqui nesse Plenário e quem quiser participar, vai estar aberta, a imprensa também está convidada para que a gente possa discutir essas emendas.
Dr. Gilberto me mostrou uma emenda agora que o Prefeito Marcelo Crivella foi simpático, mas ela muito me preocupa. Então, vamos discutir em audiência pública e será dada oportunidade para todos.
Eu não estou preocupado com vereadores que falam que eu estou mentindo. Eu não estou mentindo. Eu não sei porque são eles os detentores da verdade e são eles que sabem da plena verdade. Inclusive, eles sabem até quem são os vereadores que vão votar o sim. Não sei como eles conseguem isso. Mas eles falam o que eles quiserem. É assim que eles vêm conduzido muitas massas para serem manobradas. É assim que eles vão fazendo na vida política deles. A gente não. Nós estamos aqui com três anos impecáveis de uma legislatura plena, trabalhando em prol da sociedade, no que tange à segurança pública municipal. Para isso presidimos a Comissão Permanente de Segurança Pública Municipal.
Está ali uma pessoa a quem eu quero agradecer muito o apoio, que está ali naquele cantinho, na porta, o nobre Vereador Carlos Bolsonaro. Obrigado pelo tanto que o senhor vem lutando aqui também pelas articulações, pela construção do projeto, por fazer parte da coautoria e é do senhor das nossas maiores inspirações para conseguir construir esse projeto de forma bem pautada para trazer para a sociedade. Obrigado. Pode aplaudir, não há problema não.

A SRA. PRESIDENTE (TÂNIA BASTOS) – Para concluir, Vereador.

O SR. JONES MOURA – Nós combinamos que as manifestações da nossa plateia iriam ser muito educadas. Por isso, eu parabenizo todos que, em nenhum momento, vaiaram ou fizeram manifestações árduas com os vereadores. Sabe o que isso demonstra? Muito equilíbrio para portar todo tipo de equipamento para fazer segurança pública. Parabéns. Parabéns guardas municipais.
Para concluir, Presidente, eu quero aqui também parabenizar as pessoas que vieram aqui no segmento dos camelôs e dizer a todos vocês: quanto mais lançamos os guardas para segurança pública, menos eles estarão debruçados para fazer fiscalização dos camelôs.

A SRA. PRESIDENTE (TÂNIA BASTOS) – Vereador Jones Moura, por favor.

O SR. JONES MOURA – Nós vamos conseguir chegar lá. Obrigado. Depois do trabalho, darei as entrevistas e vamos para a escadaria da Cinelândia para os próximos passos. Parabéns, obrigado.

A SRA. PRESIDENTE (TÂNIA BASTOS) – Obrigada, Vereador Jones Moura.