ORDEM DO DIA
Pela Ordem



Texto da Ordem do Dia

O SR. WILLIAN COELHO – Senhor Presidente, eu fiz uma fala durante o Grande Expediente, tratando da questão da Saúde. Não é novidade para nenhum dos vereadores aqui presentes o drama que vive a Saúde na Cidade do Rio de Janeiro, com a falta de salários e vários outros problemas.
De maneira que me faria gosto de propor, Senhor Presidente, como já, por diversas vezes, esta Casa contribuiu com a Prefeitura, que nós, vereadores, pudéssemos, mais uma vez, votar a transferência de recursos da Câmara para a Secretaria de Saúde, e que esses recursos sejam vinculados diretamente para o pagamento dos salários desses servidores, desses funcionários da Saúde.
Muito obrigado, Senhor Presidente.

O SR. PRESIDENTE (JORGE FELIPPE) – Nobre Vereador Willian Coelho, senhores vereadores, eu quero formular um convite para uma reunião às 14 horas, amanhã, na Presidência, para discutirmos sobre essa questão de recursos da Câmara, porquanto o Senhor Prefeito está externando a expectativa de receber novas doações da Câmara.
Eu penso que essa questão não pode ficar afeta exclusivamente à Mesa Diretora, deve ser objeto de uma discussão entre todos nós, até porque, para efetuar qualquer tipo de doação, tem que ser elaborado um projeto pela Mesa Diretora e submetida à discussão e deliberação do Plenário.
Portanto, rogo aos senhores vereadores que possamos amanhã, às 14 horas, debater na Presidência esse tema.

O SR. TARCÍSIO MOTTA – Pela ordem, Senhor Presidente.

O SR. PRESIDENTE (JORGE FELIPPE) – Pela ordem, o nobre Vereador Tarcísio Motta, que dispõe de três minutos.

O SR. TARCÍSIO MOTTA – Senhor Presidente, senhores vereadores, senhoras vereadoras, boa tarde.
Hoje, dia 3 de dezembro, é o Dia Internacional da Pessoa com Deficiência, e eu acho que vale aqui a menção ao dia, o que nos faz lembrar e dizer que aquilo que a gente vive, a gente tem que estar o tempo inteiro ouvindo, aprendendo e lutando também por essas pessoas.
Certamente, a Vereadora Luciana Novaes faria a fala hoje sobre isso, mas eu estou fazendo também, até porque eu acho que existem algumas questões importantes. De um lado, a gente precisa olhar para o orçamento desta cidade e perceber em que a gente precisa colocar mais recursos. Na Comissão de Educação, presidida pelo Vereador Prof. Célio Lupparelli, a gente tem feito uma série de Audiências Públicas pela cidade e olhado a questão das salas de recursos e das políticas de inclusão e da necessidade de mais recursos para isso.
O segundo elemento que eu gostaria de destacar sobre essa data: Senhor Presidente, hoje, o nosso gabinete está encaminhando ao Prefeito Marcelo Crivella uma carta escrita por alunos do Instituto Benjamin Constant – alunos cegos e deficientes visuais – pedindo uma série de medidas com relação à cidade, durante as enchentes. Por isso, eles me chamaram e a gente está encaminhando essa carta ao Prefeito Marcelo Crivella – mais um assunto relacionado às pessoas com deficiência.
Por fim, Senhor Presidente, sei que há um Projeto de Resolução de autoria do Vereador Reimont aprovado nesta Casa, e eu gostaria de reiterar o pedido para que, no ano que vem, a gente possa ter intérpretes de libras em todas as Audiências Públicas promovidas por esta Casa de Leis. É muito importante que a gente discuta a acessibilidade também aqui na Câmara de Vereadores. Então, hoje, no Dia Internacional da Pessoa com Deficiência, eu venho aqui apresentar essas três questões.
Vamos aprovar emendas que coloquem mais dinheiro na educação especial. A gente está apresentando ao Prefeito Marcelo Crivella uma série de reivindicações de alunos cegos e deficientes visuais e fica aqui também o pedido para que a gente implemente aqui, pela Mesa Diretora, intérprete de libras em todas as Audiências Públicas, como início de um processo de acessibilidade necessário também para esta Casa. Muito obrigado, Senhor Presidente.

O SR. PRESIDENTE (JORGE FELIPPE) – Pela ordem, o nobre Vereador Leonel Brizola, que dispõe de três minutos.

O SR. LEONEL BRIZOLA – Senhor Presidente, senhoras e senhores vereadores, eu queria pedir um minuto de silêncio pelos nove jovens adolescentes e crianças que foram mortos numa ação truculenta e equivocada da Polícia Militar de São Paulo, desse protofascista chamado Dória.
Antes, eu queria só ler o nome desses jovens: Bruno Gabriel dos Santos, 22 anos; Luara Victoria Oliveira, 18 anos – aliás, a sua família só teve conhecimento do seu corpo entre as vítimas por conta de uma reportagem do Fantástico; Denys Henrique Quirino da Silva, 16 anos; Marcos Paulo Oliveira dos Santos, 16 anos; Dennys Guilherme dos Santos Franco, 16 anos; Eduardo da Silva, 21 anos; Gabriel Rogério de Moraes, de 20 anos; Gustavo Cruz Xavier, 14 anos; Mateus dos Santos Costa, 23 anos.
Senhor Presidente, a maioria dos familiares relata que os corpos não tinham características de terem sido pisoteados, sequer havia marca de sapato em suas roupas. Aqui, o meu repúdio porque digo: esta Câmara homenageou esse desumano, este oportunista da política chamado Dória. Então, Senhor Presidente, eu peço um minuto de silêncio em nome dessa chacina, que foi o que aconteceu em Paraisópolis. Muito obrigado.
O SR. PRESIDENTE (JORGE FELIPPE) – Vamos proceder a um minuto de silêncio.

(Faz-se um minuto de silêncio)