ORDEM DO DIA
Pela Ordem



Texto da Ordem do Dia

O SR. REIMONT – Nós estamos aqui falando sobre as situações da Light. E é verdade! É muito verdade que nós precisamos nos envolver com esse tema. É um tema que nos faz lembrar, Vereador Marcelino D’Almeida, que há famílias que estão sem luz até hoje. E esta Casa não pode se omitir. O senhor está certíssimo.
Mas é bom que nos lembremos de que o PMDB está dilapidando a energia nacional. Está dilapidando! Então isso faz parte também de um processo, porque a privatização da Light se deu no governo do PSDB. Mas agora, a Eletrobras, por exemplo, está sendo vendida pela bagatela de R$ 12 bilhões. Fizeram as contas hoje, comparando com uma churrascaria aí muito importante no país cujo preço é R$ 1,2 bilhão. É como se a Presidência trocasse a Eletrobras por sete churrascarias.
Então, é preciso lembrar isso! Essa história do problema da energia no Brasil e no Rio de Janeiro não é diferente. Faz parte de um grande pacote. É um grande arranjo “com o Supremo e com tudo” – já dizia Jucá. É um grande arranjo do Senhor Michel Temer com tudo o que está aí colocado. Então, o MDB, ex-PMDB e ex-MDB de novo, está sucateando a energia brasileira. Está vendendo a Eletrobras por R$ 12 bilhões. Então, precisamos estar muito atentos a isso.
E depois, Senhor Presidente, eu queria lembrar que hoje estive visitando o COR (Centro de Operações Rio). Estive visitando o Centro de Operações da Prefeitura. E queria dizer que o que vi é que lá é um espaço de primeiríssimo mundo, com profissionais competentíssimos, que são desrespeitados pelo Prefeito, Vereador Tarcísio Motta, com toda aquela parafernália de tecnologia, com aqueles trabalhadores virando noite. O trabalhador chegou lá às 20 horas e está lá até hoje.
E o Prefeito me desembarca no aeroporto e diz: “Ah, em São Paulo também tem enchente. Eles estão até pensando em fazer em São Paulo o Balsa Família”. Ah, pelo amor de Deus, Prefeito Crivella, não é por aí que a banda toca. Tenha mais respeito com o sofrimento das pessoas. Se não quiser ter respeito ao sofrimento dos pobres, tenha respeito com os trabalhadores do Centro de Operações, que estão lá dando um duro danado. A gente tem que resgatar isso. Eles estão lá pra fazer o controle das enchentes na cidade. “Ah, São Paulo também tem enchente. Estão até pensando em fazer o Balsa Família”. Isso é palavra de um prefeito? Vai dizer isso no fundo da casa dele, para a esposa dele e para os filhos dele, na brincadeira. Mas não falar isso na frente de uma câmera, num aeroporto, querendo fazer brincadeira, cinismo com o sofrimento do povo pobre da Cidade do Rio de Janeiro.
Estando lá no COR hoje, eu fiz, mais uma vez, a reivindicação de algumas comunidades que estou acompanhando: comunidade de Rio das Pedras; comunidade da Cidade de Deus; comunidade do Bairro Carioca, em Triagem; comunidade do Parque Colúmbia, na Pavuna. Fiz uma reivindicação para que isso seja visto com mais celeridade. Já tive agora notícia de que, em Rio das Pedras, a Comlurb já está fazendo a limpeza da área. É isso o que tem que acontecer. Tem que ter gestão. Tem que ter vontade política. E a gente precisa parar de falar de brincadeira sobre as coisas da cidade. O Rio de Janeiro não merece que o Prefeito Marcelo Crivella trate os cidadãos cariocas com tanto desdém como ele tem tratado.
O SR. TARCÍSIO MOTTA – Pela ordem, Senhor Presidente.
O SR. PRESIDENTE (CLÁUDIO CASTRO) – Com a palavra, pela ordem, o Vereador Tarcísio Motta, que dispõe de três minutos.
O SR. TARCÍSIO MOTTA – Senhor Presidente, ainda para continuar na linha da questão da cidade e do enfrentamento às chuvas, queria também dizer, Vereador Marcelino D´Almeida, que apoiei a CPI que o senhor propôs. E tenho dito que a gente precisa – ainda mais agora que as comissões já se resolveram – chamar urgentemente uma audiência pública em que a Light tem que estar aqui.
E é preciso que uma comissão – como a Comissão de Obras e Infraestrutura ou a Comissão de Defesa Civil ou mesmo uma comissão em que o senhor esteja e que faça sentido – convoque essa audiência pública. Mas não só por conta da Light, mas para cobrar as responsabilidades da Prefeitura na questão do enfrentamento às chuvas. O Subsecretário de Engenharia e Conservação esteve aqui ano passado dizendo que teve cortes no seu setor e que a Prefeitura tinha reduzido o investimento de conservação e drenagem. Nós precisamos cobrar explicações.
E aí, Vereador Marcelino D´Almeida, se a explicação não for suficiente, o que caberia era uma CPI das enchentes. Uma CPI para investigar a relação entre o Poder Público e as várias concessionárias no enfrentamento às enchentes na Cidade do Rio de Janeiro. Essa não tem como ninguém negar que é obrigação do município. E diante da fala do Subsecretário de corte de recursos, diante da situação da cidade, da calamidade que houve, existe um fato determinado. Eu sugeriria a Vossa Excelência que refizesse o requerimento e quem sabe tivéssemos uma CPI, vamos chamar a Light, a RioLuz e todo mundo para se explicar em uma CPI que tenha esse escopo. Minha sugestão é que primeiro tenhamos uma Audiência, depois a CPI. Obrigado.
O SR. PRESIDENTE (CLÁUDIO CASTRO) – Pela ordem, a nobre Vereadora Tânia Bastos, que dispõe de três minutos.
A SRA. TÂNIA BASTOS – Senhor Presidente, muito boa tarde. Quero aqui corroborar e aproveitar o ensejo da palavra do Vereador Tarcísio Motta, porque é muito importante estarmos nessa linha fazendo uma investigação por causa de todos esses episódios que aconteceram na cidade, principalmente com a ineficiência da Light.
Coloco-me à disposição, Vereador, para fazer parte dessa proposição que Vossa Excelência está querendo implantar. Quero, antes de tudo, e também foi por conta disso que pedi a palavra, corroborar com as palavras do Vereador João Mendes de Jesus, quando ele fala sobre a questão das perseguições que o Prefeito Marcelo Crivella vem enfrentando. Além disso, tudo que o Prefeito fala vira chacota, vira motivo de destaque na imprensa.
Fico um pouco preocupada porque, diante desses fatos que estão ocorrendo, eu observo e fui, inclusive, Vereador Dr. Carlos Eduardo, vítima disso, porque o Prefeito faz um grupo, interage com esse grupo, e dentro dele temos determinados vereadores que simplesmente encaminharam – inclusive, Vossa Excelência também foi vítima disso – para a imprensa escrita todo o texto. Vereadora Teresa Bergher, que participava do grupo no aplicativo que sempre usamos para nos comunicar, que é o WhatsApp. Ficamos um pouco perplexos, como uma pessoa, e posso dizer que é uma pessoa que não tem ética, sem escrúpulos e que não tem um pingo de respeito com ninguém, faz uma coisa dessas?
Tudo que o Prefeito faz vira chacota, sabem por quê? Por que pegam as mensagens que de repente acontecem, nós mesmos, dentro do próprio gabinete, conversamos com nossos assessores e falamos algumas coisas que podemos dizer inconvenientes, uma brincadeira, um comentário, pegam e levam para a imprensa.
Então, acredito que o Prefeito está lidando ao seu redor com muitas pessoas em quem não pode confiar. Vemos o esforço do Prefeito Marcelo Crivella para, no final do mês, fechar a folha de pagamento. Vimos, também, o esforço do Prefeito em cortar dezenas de secretarias para tentar fazer com que a sua gestão ao menos conseguisse ter o cumprimento do orçamento de 2017. Vários gastos foram cortados, mas nada disso é motivo para se colocar na imprensa, mas, às vezes, uma conversa ou um bate-papo informal, algumas pessoas, infelizmente, sem nenhum caráter e nenhuma personalidade pegam a informação no alto e jogam para a imprensa – isso é lamentável! Estamos lidando com um problema grave, pois vemos que o Prefeito está se cercando de pessoas que, infelizmente, não têm um pingo de respeito por ele. E, mesmo assim, ele está sempre dando apoio, conversando, ajudando, porque é da índole dele, é do caráter do Prefeito.
Muito obrigada, Senhor Presidente.