SESSÃO - EXTRAORDINÁRIA
Pela Ordem




Texto

O SR. PAULO PINHEIRO – Bom, rapidamente. O assunto é muito importante, e eu queria em primeiro lugar desarmar, não é, da maneira que o Fernando William está pedindo para as pessoas desarmarem o espírito e as mãos, desarmar nossos colegas da Câmara. Eu acompanhei a discussão sobre isso. Aqui não tem nada a ver. Eu não tenho, nunca tive nada contrário à religião de ninguém. Não quero nem citar onde o tomógrafo está instalado. Está instalado em uma igreja. Não importa qual é a igreja, isso aí é outro assunto político para a gente discutir depois. A questão é, quando eu fui informado por moradores da Rocinha – na Rocinha teve uma reunião, vários moradores com a Secretaria de Saúde, com outros membros do governo, pedindo a criação de um polo do coronavírus na Rocinha, para tirar de dentro das unidades. Foi discutido, foi mostrada a importância. A própria Secretaria de Saúde tentou demover, porque eles queriam fazer isso na sede da escola de samba.
Então, a própria Secretaria mostrando entendimento, disse “vamos tentar fazer”, que é montar uma estrutura para que as pessoas que tivessem dúvidas se teriam o coronavírus procurassem esse local, ao invés de procurar as clínicas da família. Muito bem. E aí foi discutido que o melhor lugar seria formar esse polo lá na UPA da Rocinha. A UPA da Rocinha fica num lugar acessível a todo mundo.
Então, tudo isso foi programado, a reunião acabou, saíram todos satisfeitos e, surpreendentemente, eu recebo ligações das pessoas da Rocinha, com as quais eu tenho bastante ligação, me dizendo que o tomógrafo está sendo instalado na igreja, no estacionamento da igreja. Eu peguei o telefone, liguei para a Secretaria de Saúde. Não consegui falar com a Secretária. Falei com outros subsecretários. E a informação era que o problema… Realmente eles também não estavam entendendo que o problema era um problema técnico. Que alguém da Secretaria de infraestrutura teria dito que não dava para levar o caminhão com o aparelho lá para cima na Rocinha, que é um lugar muito difícil. Só para vocês entenderem. E muita gente falou isso entre os vereadores, que defenderam a colocação ou não acharam nada demais nisso.
A UPA da Rocinha fica num lugar chamado “Curva do S”, onde era garagem para os ônibus da Rocinha. Então lá entra ônibus, lá entravam ônibus. É uma área enorme. Tem uma UPA, tem uma clínica da família, tem um Centro de Atenção Psicossocial e um Ciep. Tudo isso naquele lugar. Lá entravam três, quatro ônibus enormes, desses grandes que andavam na Rocinha.
Então, não é a questão de local. A Secretaria de Saúde não tem nenhuma responsabilidade sobre isso. O combinado foi colocar o aparelho lá. Alguém disse o seguinte… Deixa só eu completar o raciocínio, eu dou um aparte, está bom? Então o combinado não foi isso. Então, qual é a questão técnica? É que, se para botar vai demorar mais tempo, podemos fazer aqui embaixo, porque aqui tem melhores condições. Bom, melhores condições, se não pode ser em cima… E alguém disse assim… O Prefeito fez uma gravação dizendo que assim era mais fácil, que os moradores dos prédios da Rocinha podiam ir ali. Ou então as pessoas irem de metrô. Vejam, entendam, pelo amor de Deus! Existe o Centro de Cidadania Rinaldo de Lamare, que tem um estacionamento maior do que ele. Tem todas as instalações elétricas necessárias, a caixa de força. Ou seja, poderia instalar, já que é dentro de um lugar público e que tem unidades de saúde. Existem duas Clínicas da Família dentro do prédio Rinaldo de Lamare, que fica do outro lado da Rocinha, perto do Centro da Escola de Samba e perto do Centro Esportivo da Rocinha.
Então, não há razão técnica para que seja obrigado a colocar na igreja. Se fosse supermercado, não importa, o equipamento público não pode ser disponibilizado dessa maneira. É para colocar aquilo dentro de uma unidade de saúde ou próximo de uma unidade de saúde. Não fica perto, e as pessoas que vão fazer tomografia provavelmente estão com problemas respiratórios. Elas não vão descer a Rocinha – descer da curva do S até a igreja –, fazer a tomografia e voltar subindo ou de mototáxi.
Então, por isso, como a Secretaria Municipal de Saúde não tem explicação... A Secretaria Municipal de Saúde disse para mim o seguinte: “A explicação é técnica. Foi uma decisão técnica. Nós combinamos de colocar na UPA. Nós não temos nada a ver com isso”. E eu sei até que vários vereadores ficaram surpresos. Eu soube que vários vereadores ficaram surpresos e procuraram a secretária. Para a secretaria, a posição é técnica. Ninguém optou por isso. Não é ali melhor. Se é para ser embaixo, se não pode ser em cima, faça no Centro Rinaldo de Lamare, no estacionamento ou dentro, onde tenha um local com Clínicas da Família. Facilita o atendimento. Embaixo, piora.
Por isso, eu e o Vereador Tarcísio Motta apresentamos uma representação ao Ministério Público para que isso seja explicado. Porque não pode um equipamento público ser colocado em um lugar privado. O prefeito não tem o direito, ele é só prefeito.

O SR. PRESIDENTE (JORGE FELIPPE) – Seu tempo está esgotado.

O SR. PAULO PINHEIRO – Ele não é o rei. O prefeito tem que entender, como o que disse o Presidente da República, “eu não aguento mais, eu não aceito mais”, que essas falas não cabem mais num país democrático.