Discurso - Vereador Reimont -

__________________________________________________________________

Data da Sessão:04/02/2019Hora:02:26 PM
__________________________________________________________________

Texto do Discurso

O SR. REIMONT – Senhor Presidente, senhores vereadores e vereadoras que me acompanham aqui no Plenário desta Casa de Leis ou que me acompanham também dos seus gabinetes. Quero a todos cumprimentar e cumprimentar também os assessores que trabalham aqui na Câmara, a imprensa que se faz presente neste dia histórico da Câmara Municipal do Rio de Janeiro.
Quero cumprimentar também os que vêm se manifestar a favor do Prefeito Marcelo Crivella. Dizer que é sempre muito bom ter as galerias cheias.
Aliás, Vereador Tarcísio Motta, em 2010, eu apresentei aqui na Câmara um Projeto de Lei para que, das três sessões da semana, tivesse uma das sessões noturnas para que o povo pudesse participar, devido ao interesse que temos da participação do pessoal – esse projeto ainda não logrou êxito.
Eu sou, com muito orgulho, do Partido dos Trabalhadores, do PT. Em 2016, Vereador Rogério Rocal, nós sofremos um golpe, porque sobre a atuação da Presidenta Dilma Rousseff não pairava nenhum crime de responsabilidade. Sobre os ombros da Presidenta, que teve 54 milhões de votos, não pairava – segundo parecer do Senado Federal, segundo parecer da própria comissão do impeachment – não havia crime de responsabilidade da Presidenta Dilma. Mas, naquele momento, nós sofremos um golpe.
Por que sofremos um golpe? Porque, naquele momento, a Presidenta Dilma não tinha correlações de força dentro do parlamento. Porque não aceitava negociar com os parlamentares. Porque não admitiu livrar a cara do Eduardo Cunha na Comissão de Ética. Exigiu que os deputados federais do PT votassem contra Eduardo Cunha na Comissão de Ética.
Naquele tempo, o Prefeito Marcelo Crivella era senador da República. E aqui há de se dizer...

O SR. PRESIDENTE (ROCAL) – A galeria está descumprindo o combinado. Há um orador na Tribuna.
Com a palavra, Vossa Excelência.

O SR. REIMONT – O Senador Marcelo Crivella era senador da República graças, inclusive, à ajuda que o Presidente Lula deu a ele, porque jamais teria conseguido ser eleito se no Rio de Janeiro se o Presidente Lula não tivesse direcionado o segundo voto do Senado para Marcelo Crivella. Além disso, Marcelo Crivella foi Ministro do Presidente Lula, Ministro da Presidenta Dilma e, depois, o Prefeito Marcelo Crivella cuspiu no prato em que comeu, desonrou a Presidência da República.
Diferentemente daquele momento em que, sobre a Presidenta Dilma, não pairava nenhum crime de responsabilidade, diferentemente daquele momento, nós vivemos hoje, Senhor Presidente Vereador Rocal, um momento em que pairam dúvidas sobre...

O SR. PRESIDENTE (ROCAL) – Eu solicito à Segurança que garanta a fala do orador na Tribuna.
Atenção, Segurança! Garanta a fala do orador na Tribuna.

O SR. REIMONT – Então, o que nós temos aqui, hoje, é a votação para saber se os 51 vereadores admitem que seja feita uma investigação sobre crime de responsabilidade do Prefeito Marcelo Crivella, em relação ao aditamento de contratos, em relação à prorrogação de contratos. O que nós faremos é isso.
No meu entendimento – aí, como eu disse, é muito bom que a galeria esteja aqui –, a galeria pode se manifestar. Não tem problema. A galeria existe para isso, desde os tempos mais remotos da democracia. Mas há uma compreensão hoje, e é preciso que isso fique claro, nós hoje não votaremos o impeachment do Prefeito Marcelo Crivella; nós votaremos um requerimento para instituir uma comissão processante para compreender, investigar, ouvir depoimentos das pessoas ligadas a isso que está sendo colocado, esse indício de crime do Prefeito Marcelo Crivella.
Portanto, hoje, eu e a Vereadora Luciana Novaes votaremos “sim” à admissibilidade. Nós queremos que o Prefeito Marcelo Crivella seja investigado. É um direito nosso; é um direito do povo do Rio de Janeiro; é um direito das comunidades; é um direito da saúde; é um direito da educação; é um direito das pessoas que têm perdido suas moradias; é um direito daqueles que, na escola, por exemplo, não têm tido a alimentação adequada; é um direito dos servidores; é um direito dos agentes de educação infantil, que agora estão sob ameaça, inclusive, de serem exonerados. Esse é um direito.
O Prefeito Marcelo Crivella, desde que assumiu a Prefeitura, ele vem num “chororô” de que a Prefeitura não tem dinheiro, para justificar a sua incompetência administrativa. O Prefeito Marcelo Crivella vem, desde o início do governo, dizendo: “O governo passado deixou a Prefeitura quebrada! Não tem dinheiro para isso. Não tem dinheiro para aquilo”. Só a questão da atualização do IPTU, há pessoas que estão pagando 300% de aumento. Mesmo assim, nós convivemos com a Avenida Brasil abandonada; nós convivemos com os hospitais abandonados; nós convivemos com escolas depredadas; nós convivemos com as nossas ruas sem conservação; nós continuamos com todos os processos que eram de obrigação do Prefeito Marcelo Crivella cuidar, e ele não cuidou.
Eu, não só a distância, mas muito proximamente também, estou sempre a fim de discutir, de debater, de conversar. Eu não tenho problema nenhum. Fiquem à vontade. A Casa é de vocês. Quem está dizendo isso não sou eu; quem está dizendo é a democracia. Mas o que eu estou querendo dizer é que, hoje, esta Casa, em respeito a vocês, em respeito à sociedade carioca tem que admitir a investigação sobre os atos de improbidade administrativa do Prefeito Marcelo Crivella – e é isso que nós vamos fazer hoje.
Nós vamos fazer isso, hoje, em respeito àqueles que nos delegaram o poder de representá-los no Legislativo. Nós vamos fazer isso em respeito às pessoas que acreditam na possibilidade de ver uma cidade mais bem governada. Os hospitais, as Clínicas da Família, os Agentes Comunitários de Saúde estão sendo demitidos o tempo todo. E aí, nós vemos o quê? Nós vemos o Prefeito Marcelo Crivella celebrando contratos prorrogados que chegam a R$ 500 milhões.
Tem um dado simples aqui, Vereador Fernando William, que eu vou passar a vocês. É um dado tirado, hoje, da Federação Nacional das Cooperativas Médicas (Fencom) – hoje! Só em 2019, portanto... Nós estamos em que mês? Abril. Hoje é dia 2 de abril. Só em três meses, a Prefeitura já tirou da saúde – só nesses três meses! – R$ 385 milhões. Eram R$ 4,68 bilhões e, hoje, R$ 4,29 bilhões. Só este ano! Então, é indefensável, porque o dinheiro que o Prefeito usa de maneira inadequada, para fazer as concessões, poderia estar suprindo as necessidades da Saúde.
E quero dizer para os vereadores o que disse, hoje, ao SBT, agora, às 12h20: nós estamos apreciando um processo de pedido de impeachment do Prefeito Marcelo Crivella. Vamos admitir que a investigação transcorra, mas essa não é a pior denúncia. Tem outras para chegar. E vão chegar. Vão chegar outras denúncias muito mais complicadas do que esta.
Hoje, nós estamos aqui para isso – eu espero. Espero que, pelo bem da Cidade do Rio de Janeiro, os vereadores deem o seu voto favorável à admissibilidade, porque nós precisamos respeitar a nossa cidade, e o Prefeito Crivella precisa se explicar. Ele precisa explicar os desgovernos que ele tem promovido na Cidade do Rio de Janeiro.